menu

Cadastro Newsletter

Procurar

GESTÃO DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO AMBIENTAL E POSTURA PROATIVA

 

As empresas industriais que procuram manter-se competitivas ou mesmo sobreviver e se ajustar a um ambiente de negócios turbulento e imprevisível percebem cada vez mais que, diante das questões ambientais, são exigidas novas posturas, num processo de renovação contínua, seja na maneira de operar seus negócios, seja em suas organizações. Nesse sentido, as empresas industriais estão desenvolvendo novas formas de lidar com os problemas ambientais, mediante mecanismos de auto-regulação ou por meio de uma gestão ambiental proativa.

 

ser-proativo 

A POSTURA PROATIVA

A auto-regulação também se estende a empresas agindo por sua própria iniciativa e interessadas no desempenho de seus próprios negócios. Nesse sentido, empresas industriais adotam posturas proativas em relação ao meio ambiente mediante a incorporação dos fatores ambientais nas metas, políticas e estratégias da empresa, considerando os riscos e os impactos ambientais não só de seus processos produtivos mas também de seus produtos. Assim, a proteção ambiental passa a fazer parte de seus objetivos de negócios e o meio ambiente não é mais encarado como um adicional de custo, mas como uma possibilidade de lucros, em um quadro de ameaças e oportunidades para a empresa.

Nesse contexto, o meio ambiente assume as características descritas por Buchholz (1992) como de uma questão estratégica para os negócios de uma empresa, a saber:

 

  • -Coloca uma tendência ou oportunidade atual ou prospectiva;
  • -Surge de alguma tendência ou desenvolvimento interno ou externo;
  • -Pode ter um impacto potencial importante no crescimento, na rentabilidade ou na sobrevivência dos negócios;
  • -O curso ou impacto da questão podem, de alguma forma, ser influenciados pela ação da empresa.

 


 

Sob esse prisma, o meio ambiente gera uma nova perspectiva na agenda de negócios de empresas proativas, que pode ser estabelecida sob duas óticas distintas: o meio ambiente como base de negócios ou de desenvolvimento de idéias. Como base de negócios, o meio ambiente apresenta oportunidades e ameaças para os interesses dos negócios. A base de negócios pode identificar novas oportunidades para o desenvolvimento de processos, produtos e mercados, assim como para influenciar e alterar as exigências de consumo nos mercados já existentes, podendo, ainda, obrigar o fechamento de uma fábrica. Já como base de desenvolvimento de idéias, o meio ambiente contribui como parte de uma análise crítica da forma como a sociedade e os negócios operavam no passado, levantando questões acerca dos paradigmas existentes e a construção de novos paradigmas. A base de desenvolvimento de idéias coloca novas formas de pensamento e questões como o desenvolvimento sustentável e a responsabilidade ambiental (Roome, 1994).

 

O setor industrial passa por um importante período de transição e ajustes diante dos imperativos ambientais, que inclui, de um lado, o tratamento do meio ambiente como uma questão estratégica e fonte potencial de rentabilidade e vantagem competitiva e, de outro, a busca de soluções para os problemas ambientais, atuais e futuros. As empresas industriais estão sendo desafiadas a encontrar novas formas de organização e administração da produção que atendam às exigências ambientais e que representem uma participação ativa do empresariado no processo de mudanças de comportamento necessário para que as expectativas da sociedade relativas à melhoria da qualidade de vida sejam atingidas.

 

Há uma área específica de problemática referente à tecnologia como solução para os ditames ambientais, mas verifica-se ainda a necessidade de uma gestão adequada de outras questões relacionadas ao meio ambiente que permitam que uma organização industrial e a própria sociedade avancem rumo a uma mais ampla aceitação dos conceitos e princípios ambientais. Essas outras questões relacionam-se à possibilidade de se conciliar a expansão econômica e o avanço industrial e tecnológico com a preservação ambiental, que evidenciam o próprio conflito da sociedade atual, que é o de aliar o crescimento à qualidade de vida, de crescer sem destruir, de garantir a sua futuridade.

 

De fato, no que se refere ao meio ambiente, é exatamente o problema com o qual a sociedade moderna se depara. Depois de períodos de crescimento contínuo e explosivo, de adoção de modelos de desenvolvimento que viabilizassem o crescimento a qualquer preço, especialmente nos países em desenvolvimento, a sociedade hoje questiona o preço pago por todo esse esforço. O meio ambiente se tornou um elemento-chave para se repensar os valores e as ideologias vigentes e se estabelecer novas formas de pensamento e ação em todas as práticas produtivas. O meio ambiente tem-se tornado um elemento vital para se estabelecer os novos paradigmas da concorrência industrial e, por isso, aflora como importante questão para se estabelecerem os rumos futuros dos mercados e da sociedade, locais ou globais. Mesmo que soe “piegas”falar sobre meio ambiente e proteção ambiental.